Lista de sugestões de filmes interessantes. Dicas de DVDs e Blu-rays encontrados nas locadoras. Cada postagem traz foto da capa, breve sinopse, censura, diretor, distribuidora, elenco, responsáveis pelo roteiro, musica e fotografia. Com o eterno deslumbramento de fã apaixonada, By Star Filmes acredita que o cinema emociona, ensina e é a melhor diversão.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Um Pouco de Caos

A Little Chaos
(2014) 117 min (14 anos)

França, 1682 - O arquiteto paisagista André le Nôtre procura um encarregado para construir um dos bosques do palácio de Versailles. Entre os convidados para a tarefa está a jovem viúva Sabine de Barra. O arquiteto amante da ordem observa da janela o momento em que Sabine troca um vaso de plantas de lugar, no jardim criado por ele. A entrevista entre os dois dura três minutos e não parece promissora, mas ainda assim ela é a privilegiada escolhida, passando à frente de um grupo de homens experientes, mas com menor criatividade. Interesses contrariados e sabotagem ameaçam o projeto, mas a sincera paisagista conta com fortes aliados.

O roteiro é tênue, nem sempre convincente, ambientado em Paris, filmado na Inglaterra e falado em inglês. A personagem de Sabine de Barra não existiu. Aliás, mulheres trabalhando em posições de destaque não eram comuns, excetuando uma rainha ou outra. A magnífica pintora Elizabeth Vigée Lebrun (1755-1842) nasceria quase um século mais tarde. Apesar de tudo, o filme tem cenas interessantes. E traz Kate Winslet (Sabine), Alan Rickman (Luis XIV), Stanley Tucci (Duque de Orleans) e Helen McCrory, como uma frívola e inconsequente Mme. Le Nôtre. Para quem curte boas interpretações e filmes de época, vale a pena.

Curiosidades
Wikipedia
* O bosque do qual Sabine é encarregada trata-se do "Le Bosquet de la Salle de Bal" ou "Le Bosquet des Rocailles".

* André Le Nôtre, apresentado como jovem, era na realidade 20 anos mais velho do que Luis XIV. 

Diretor: Alan Rickman
Roteiro: Jeremy Brock, Alison Deegan, Alan Rickman
Musica: Peter Gregson
Fotografia: Ellen Kuras ("Brilho Eterno de uma Mente sem Lembrança", "Rebobine, Por Favor")
Designer de Produção: James Merifield
Elenco: Kate Winslet, Matthias Schoenaerts, Alan Rickman, Stanley Tucci, Helen McCrory, Danny Webb, Rupert Tenry-Jones, Paula Paul, Jennifer Ehle, Phyllida Law, Adam James, David Foxxe
Distribuidora: Imagem Filmes

*** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Little Boy

Little Boy *
(2015) 106 min

EUA - "Little Boy" ainda não chegou ao Brasil. Mas meu filho insistiu muito para que eu o visse pelo computador. "Mãe, tenho certeza que você vai amar!" Mesmo não apreciando essa maneira de assistir filmes - sou fervorosa defensora dos dvds - concordei. E ele estava certíssimo, achei "Little Boy" um filme emocionante, leve, interpretado por atores sensíveis que infundiram total credibilidade aos personagens. Entre eles, destaca-se Jakob Salvati, o afetuoso guri do título, o Pepper Flint Busbee. 

Emma e James Busbee já há algum tempo eram pais de London, quando lhes nasceu o pequeno Pepper Flint. Logo formou-se um vínculo forte entre o amoroso pai e seu filho caçula. Quando não estava na oficina, consertando os carros da cidade de O'Hare, James envolvia-se em brincadeiras e aventuras imaginárias com seu entusiasmado parceiro mirim. 

A entrada dos EUA na 2ª Guerra separou essa dupla invencível. Para tolerar a dor, o menino agarrou-se às palavras do versículo de Mateus 17:20 ("em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e há de passar; e nada vos será impossível"). Pepper decide aumentar sua fé, para trazer o pai de volta. Orientado pelo padre Oliver, resolve seguir os passos sugeridos por uma lista antiga: Alimentar os famintos, abrigar os sem-teto, visitar os presos, vestir os nus, visitar os doentes, enterrar os mortos. 

A essas seis tarefas, o padre acrescenta mais uma: ser amigo dos seus inimigos, o que no caso de Pepper significa aproximar-se do japonês Hashimoto. De acordo com o padre, a Fé não funcionará se você tiver qualquer resquício de ódio no seu coração. Para encantar-se com a nobre missão desse valente menino de 8 anos, encontre um jeito de assistir "Little Boy". Já ouviu falar do site Popcorntime? Você também pode fazer download do programa no Baixaki. Mas quando o filme chegar ao Brasil, vou querer o DVD para mim!

Curiosidade:
* O terremoto no filme realmente aconteceu em los Angeles, três meses antes da detonação da bomba em Hiroshima.

* Kevin James (dr. Fox) gostou tanto do roteiro que concordou em fazer o filme gratuitamente.

* "Little Boy" foi produzido pela Metanoia Films, companhia fundada por Eduardo Verástegui, Alejandro Gomez Monteverde e Leo SeverinoA empresa é responsável pelo filme "Bella" (2006).

Diretor: Alejandro Monteverde
Roteiro: Alejandro Monteverde & Pepe Portillo
Musica: Stephan Altman, Mark Foster
Fotografia: Andrew Cadelago
Designer de Produção: Bernardo Trujillo
Elenco: Jakob Salvati, Emily Watson, Michael Rapaport, David Henrie, Kevin James, Tom Wilkinson, Cary-Hiroyuki Tagawa, Ben Chaplin

*** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante

domingo, 23 de agosto de 2015

Mr. Turner

Mr. Turner * *
(2014) 150 min (14 anos)
Loft Cinema
Inglaterra - Um céu entre rosa e laranja ocupa toda a tela. À direita, as pás de um moinho de vento giram e duas mulheres, em vestes holandesas tradicionais, conversam enquanto caminham. Ao fundo destaca-se a silhueta escura de um homem de chapéu, que desenha a paisagem. Assim somos apresentados ao excêntrico e solitário Joseph Mallord William Turner, pintor revolucionário e romântico, considerado precursor do Impressionismo. Posteriormente, seremos apresentados ao pai, seu ajudante no ateliê, responsável pela compra de todo material, conheceremos as mulheres com quem o artista manteve relacionamentos, além de outros pintores contemporâneos e clientes fiéis, entre os quais se incluía o crítico de arte John Ruskin. 

Turner (1775-1851) entrou cedo para a Real Academia de Pintura. Seus conselhos certeiros eram apreciados pelos colegas durante os preparativos para as exposições coletivas da academia. Até hoje, o prolífico pintor é um dos mais amados pelos britânicos, embora, na época, seus quadros não tivessem caído nas graças da rainha Victoria. Especialista em disputadas paisagens terrestres e marinhas, no final da vida, o artista recusou uma oferta milionária pelo conjunto de sua obra. Ao recusar a proposta, a intenção de Turner era que seus quadros pudessem ser apreciados gratuitamente pelo povo inglês, em vez de ficarem trancafiados numa propriedade particular. E assim foi feito. Aliás, até hoje, na Inglaterra é possível frequentar museus e galerias de arte sem ter que pagar nada por isso, embora se encorajem as doações.

Os múltiplos atrativos do filme de Mike Leigh são ambientes e vestuário, a magnífica fotografia, inspirada nas cores da pintura de William Turner e um elenco impecável e inspirado. Não fosse uma cena de sexo, em que Turner agarra por trás a empregada Hannah Danby, o filme seria adequado a todas as idades. Mas, para quem ama as Belas Artes, os outros 149 minutos do filme passarão voando. 

Curiosidades:
* Para se preparar para o papel de Turner, Timothy Spall passou quase 2 anos estudando pintura.

* A cena de abertura foi filmada em Herringfleet, Suffolk, e não na Holanda.

* Um dos encantos do filme é a recriação de cenas que teriam inspirado os quadros de Turner: a fumaça da locomotiva a vapor, as variadas cores do por-do-sol, e, especialmente, o momento em que o pintor se faz amarrar ao mastro de um navio, para poder observar a tempestade no mar de um ângulo privilegiado.

* Turner admirava o talento e o progresso. No roteiro de Mike Leigh ele aparece sorrindo com agrado diante de dois quadros do novato Sir John Everett Millais e posando para uma fotografia, a nova arte que substituiria a pintura no registro dos fatos.

* William Turner morreu em Chelsea, na casa de Sophia Booth, a viúva proprietária de uma pensão à beira-mar, com quem o pintor manteve seu último relacionamento. 

Diretor: Mike Leigh
Sophia Booth e Turner
Roteiro: Mike Leigh
Musica: Gary Yershon
Fotografia: Dick Pope
Designer de Produção: Suzie Davis
Diretor de Arte: Don Taylor
Figurinista: Jacqueline Durran
Elenco: Timothy Spall, Paul Jesson, Marion Bailey, Dorothy Atkinson, Lesley Manville, Martin Savage
Distribuidora: Sony

*** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante

domingo, 5 de julho de 2015

Cinderella

Cinderella * * *
(2015) 105 min (Livre)

Num reino pequenino, pacífico e belo, bem no meio da floresta, vive a menina Ella, cercada pelo amor dos pais, na companhia de muitos amigos, entre os quais, os animais da fazenda. Seu pai é um rico mercador que viaja por outras terras, enquanto a esposa cuida da casa e ensina à filha valores de bondade, esperança e fé. Quando estão juntos, são a família mais feliz do mundo. 

Certo dia a mãe de Ella adoece. Em seu leito de morte, a amável senhora diz à menina que precisa ser sempre corajosa e gentil. Nos anos seguintes pai e filha se fazem companhia, até que o viúvo acredita que casar-se novamente poderia aumentar sua felicidade. Lady Tremaine, suas duas filhas, Anastácia e Drisella, o peludo e rabugento gato Lúcifer vêm morar na casa da floresta. As três mulheres são tão fúteis quanto frias e não têm qualquer interesse em conhecer ou amar pai e filha.

Antes de partir em mais uma viagem, o mercador pergunta a cada uma das jovens o que deseja como presente. As irmãs querem rendas e sombrinhas. Ella pede o primeiro galho que tocar o ombro do pai. Mal o marido deixa a casa, Lady Tremaine sugere que Ella troque de quarto com as irmãs e vá dormir no sótão. Este é só o começo das desventuras da bondosa Ella, que precisará de toda coragem e gentileza para não desistir de sonhar com uma vida melhor.

Os estúdios Disney conseguiram recriar pela segunda vez toda magia da história do escritor Charles Perrault (1697). "Cinderella" é um sonho desde o vestuário à escolha do elenco; feliz na direção, na música, nos diálogos e efeitos especiais. Kenneth Brannagh foi fiel a cada detalhe da história original, incluindo os mágicos sapatinhos de cristal, uma criação de Swarovski, inspirada num exemplar de 1950, que a figurinista Sandy Powell viu num museu. A companhia austríaca forneceu mais de 7 milhões de cristais para serem usados nos vestidos e tiaras da cena do baile. Tal como todo o filme, um luxo só.

Curiosidades:
* Na dança no baile, muitos dos vestidos foram inspirados nos vestidos das princesas da Disney : Bela, Tiana, da Princesa e o Sapo, Aurora, Branca de Neve, Mulan e Ariel.

* Lily James, que interpreta Cinderella, e Sophie McShera, que interpreta Drisella, também atuam juntas em Downton Abbey. Contudo seus papéis são trocados.  Lily é a Lady Rose e Sophie faz o papel de Daisy, a ajudante da cozinheira.

* O vestido azul e o cabelo de Cinderella foram enfeitados com 10.000 cristais Swarovski. A empresa confeccionou 8 pares de sapatinhos, mas nenhum era usável. Lily James usava sapatos de couro no set, que foram digitalmente transformados em crista

Diretor: Kenneth Branagh
Roteiro: Chris Weitz, baseado no conto de Charles Perrault
Musica: Patrick Doyle
Fotografia: Haris Zambarloukos
Designer de Produção: Dante Ferretti (A Invenção de Hugo Cabret, Cold Mountain, Entrevista com o Vampiro, A Época da Inocência, O Nome da Rosa)
Figurinista: Sandy Powell (Ilha do Medo, O Lobo de Wall Street, A Jovem Rainha Victoria, Shakespeare Apaixonado)
Elenco: Lily James, Richard Madden, Cate Blanchett, Helena Bonham Carter, Stellan Skarsgård, Sophie McShera, Holliday Granger, Derek Jacobi, Ben Chaplin, Hayley Atwell, Jana Perez
Distribuidora: Disney


*** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante

Calvario

Calvary * *
(2014) 90 min (16 anos)
"Não desespereis, um dos ladrões foi salvo.
Não presumais, um dos ladrões foi condenado."
(Santo Agostinho)

Irlanda - Vestindo uma estola roxa sobre a batina negra, o padre James Lavelle aguarda pacientemente os paroquianos para a confissão no domingo. O compreensivo sacerdote de meia idade nem imagina as primeiras palavras do homem que se aproxima do confessionário. A voz grave avisa que vai matá-lo na praia, no prazo de uma semana. Lavelle terá sete dias para deixar suas coisas em ordem na pequena vila a beira-mar. Padre James será assassinado exatamente por ser um bom sacerdote, pois eliminar um mau padre não chocaria ninguém.

Padre Lavelle leva uma vida simples, dedicada à oração, ao serviço da comunidade local e a cuidar de seu velho cão. Durante a semana seguinte, mantem essa rotina e só revela ao Bispo local a ameaça ouvida na confissão. O superior explica que, como o homem não mostrou arrependimento, e há a intenção de cometer um crime, James não estaria violando o segredo da confissão se procurasse a polícia. Muitos eventos extraordinários se sucedem nos próximos dias, inclusive a chegada da frágil Fiona, filha única de Lavelle, que foi casado antes do sacerdócio. Fugir ou confrontar o assassino? Eis o dilema do misericordioso Padre James.

"Calvário" prende nossa atenção pelo inusitado do roteiro, pelo belo cenário, pela forte presença de Brendan Gleeson como o padre, assim como pelo desfile de paroquianos rebeldes. Um ótimo elenco. O título do filme remete aos momentos finais da vida de Jesus, que também sabia o que o aguardava. O suor de sangue no Horto das Oliveiras ilustra o tanto que Ele sabia. Enquanto não chegou sua hora, Cristo evitou expor-se em determinados momentos, para não ser preso antes que se completasse sua missão. Chegada a hora, ofereceu-se, sem qualquer resistência, à fúria astuciosa dos que desejavam eliminá-lo. Lavelle ainda tentou evitar o confronto com seu algoz, mas um encontro de última hora levou-o a repensar a decisão; padre James é um homem de fé. E "Calvário" é um filme que não se esquece.

Curiosidade:
* O papel do prisioneiro Freddie Joyce é interpretado por Domhnall Gleeson, filho de Brendam na vida real.

* São 12 os personagens coadjuvantes, como os 12 apóstolos.

Diretor: John Michael McDonagh
Roteiro: John Michael McDonagh
Musica: Patrick Cassidy
Fotografia: Larry Smith
Desenhista de Produção: Mark Geraghty
Diretora de Arte: Fiona Daly
Elenco: Brendan Gleeson, Kelly Reilly, Chris O'Dowd, Aidan Gillen, M. Emmet Walsh, Dylan Moran, Domhnall Gleeson, Owen Sharpe, Michael Og Lane, David Wilmot
Distribuidora: Fox Filmes

*** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Mais Um Ano

Another Year * *
(2010) 129 min (14 anos)

Inglaterra - Juntos e felizes há mais de 30 anos, Tom e Gerri Hepple jamais discutem. O casal aprecia passar os fins-de-semana cultivando um pequeno lote de terra nos arredores de Londres, onde produzem hortaliças para abastecer a mesa. Também gostam de receber em casa alguns amigos não tão felizes.

Tom é geólogo e coleta amostras do solo para determinar se é seguro construir novos edifícios na cidade. Gerri atua como conselheira num centro de saúde, onde a frágil Mary trabalha como recepcionista. Quando convidada, Mary costuma frequentar o lar dos Hepple, onde conhece Ken, um viúvo aposentado que bebe demais. Completam o grupo, o simpático advogado Joe, filho do casal, e Ronnie, o lacônico irmão de Tom. As estações se sucedem, os relacionamentos esquentam e amadurecem.

Os filmes de Mike Leigh fluem no ritmo natural da vida, sempre apoiados num time de atores extremamente convincentes. "Mais um Ano" retrata um casal de meia-idade bem resolvido. Unidos pelo carinho mútuo e por uma rotina simpática, Tom e Gerri atraem o pequeno grupo de amigos sem rumo. Imelda Staunton, completamente diferente de sua caracterização em O Segredo de Vera Drake, faz uma pequena ponta como Janet, paciente de Gerri, uma personagem amarga que nada espera da vida, além de conseguir dormir uma boa noite de sono. O desespero estampado no rosto trágico revela sua completa desilusão com as pessoas próximas. É o arquétipo extremo dos infelizes que desfilarão na tela a seguir, carentes de um projeto de vida que valha a pena. Gostaria que Gerri tivesse podido ajudá-la, mas isso Mike não quis nos mostrar.

O filme entra em cartaz esta semana na Estação Net Ipanema, Estação Net Barra Point e Estação Net Rio. Fiquem atentos. "Mais um Ano" foi exibido no Festival do Rio. O site Set Decor fez uma entrevista interessante com Mike Leigh.


Diretor: Mike Leigh
Roteiro: Mike Leigh
Musica: Gary Yershon
Fotografia: Dick Pope (Simplesmente Feliz, O Segredo de Vera Drake, Segredos e Mentiras, O Ilusionista)
Desenhista de Produção: Simon Beresford
Elenco: Jim Broadbent, Lesley Manville, Ruth Sheen, Peter Wight, Oliver Maltman, David Bradley, Imelda Staunton, Karina Fernandez, Martin Savage, Michele Austin, Phil Davis, Stuart McQuarrie
Distribuidora: Sony

Film… it’s great to be able to take this extraordinary invention from 1896 and capture the world, capture the poetry of the physical world (Mike Leigh)

*** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante

terça-feira, 2 de junho de 2015

Timbuktu

Timbuktu * * *
(2014) 97 min (14 anos)

Mali - Uma gazela corre pelas dunas do Sahara, tentando escapar das balas de um grupo de guerrilheiros que a perseguem num jipe. Os jovens jihadistas tentam matar o animal que simboliza a graça, a liberdade e a beleza. Desde que o Estado Islâmico dominou a cidade de Timbuktu, a população de diferentes etnias encontra-se submetida a uma interpretação severa da sharia. Através desse conjunto de leis, as mulheres são obrigadas a usar luvas e meias, ficam abolidos o cigarro, a musica e os jogos de bola. O único toque de modernidade permitido nesse recanto do deserto é o som do celular.

Próximo à cidade de Timbuktu, o tuaregue Kidane vive numa tenda nas fronteiras do deserto, com a mulher Satima, a filha Toya e Issan, o pastor de 12 anos que cuida do pequeno rebanho da família. Cada vez que o marido se ausenta, o jihadista Abdelkerim vem importunar a bela Satima. Mas, na cidade, os guerrilheiros vigiam os moradores dia e noite, aplicando diversas punições aos infratores da sharia, que vão da advertência ao apedrejamento. Depois de uma briga com um pescador, Kidane é preso e aguarda seu castigo.

"Timbuktu" é um filme suave, apesar do tema, interpretado com naturalidade por todo elenco, e enfeitado pela extrema beleza da trilha sonora e fotografia. A música, cantada pela personagem da atriz Fatoumata Diawara, é comovente de tão linda, assim como a cena de um jogo de futebol entre um grupo de meninos, jogado na areia, sem bola. 

Os jihadistas não são apresentados como monstros, mas humanizados por um olhar, uma conversa franca ou pela ajuda a um prisioneiro. Contudo são os mesmos que destroem pessoas e obras de arte, patrimônios históricos da humanidade. Não se tenta sequer uma explicação para o motivo das adesões a uma ideologia tão contrária aos desejos humanos e à intenção divina. 

Se Deus criou um mundo onde os pássaros cantam, o vento murmura e faz dançar as folhas, se nosso coração bate em ritmo de percussão, por que haveria Alá de se ofender com os cantos e danças das gentes? 

Curiosidades:

* Em 20 de fevereiro de 2015, Timbuktu tornou-se o primeiro filme gravado na Mauritânia, por um diretor local, a ganhar 7 prêmios Césars: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro original, Melhor Edição, Melhor Fotografia, Melhor Música e Melhor Som. É o filme africano mais premiado até agora.

* O filme examina a breve ocupação de Timbuktu pelo grupo Ansar Dine (Defensores da Fé), em março de 2012. Partes do filme foram influenciadas pelo apedrejamento público de um casal não casado, na comunidade rural de Aguelhok.

* Os personagens falam em Tuareg, Bambara, Árabe, Francês, e, por vezes, em Inglês.

Diretor: Abderrahmane Sissako
Roteiro: Abderrahmane Sissako, Kessen Tall
Musica: Amine Bouhafa
Fotografia: Sofian El Fani
Design de Produção: Sebastian Birchler
Elenco: Ibrahim Ahmed, Toulou Kiki, Layla Walet Mohamed, Mehdi A. G. Mohamed, Abel Jafri, Adel Mahmoud Cherif, Fatoumata Diawara, Salem Dendou
Distribuidora: Imovision

*** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante

segunda-feira, 11 de maio de 2015

O Jogador

The Player * *
(1992) 124 min (14 anos)

EUA - Griffin Mill, vice-presidente de um grande estúdio de Hollywood, recebe cinquenta mil roteiros a cada ano e só pode selecionar 12 para serem filmados. Isso gera um bando de escritores descontentes com a recusa de suas ideias. Um deles, mais insistente, começa a lhe enviar cartões postais ameaçadores. Mill julga ter identificado o responsável e vai procurá-lo tarde da noite num bar de karaokê. Os dois discutem, Griffin reage mal às provocações do roteirista e mergulha sua cabeça numa poça de água lamacenta. 

Apavorado, ao constatar que o escritor está morto, Mill simula um assalto e foge. Pressionado pela situação do estúdio, onde outro executivo quer tomar-lhe o lugar, e pela polícia de Los Angeles, que o considera o principal suspeito do crime, Griffin precisará de toda sua frieza e inteligência para fugir das consequências de seus atos. Conseguirá ele produzir mais um final feliz? Ou trocará a vida de conforto, e estadias em spas luxuosos, pelo corredor da morte de uma penitenciária da Califórnia?

Como suporta bem a passagem do tempo essa obra de Robert Altman! "O Jogador" oferece um retrato de Hollywood que parece bastante real. É um filme ágil, divertido do começo ao fim, exibindo todos os elementos que o personagem principal julga fundamentais para um sucesso cinematográfico: suspense, comédia, violência, esperança e sexo, entre outros. Rostos conhecidos desfilam naturalmente na tela, como eles mesmos ou como personagens, sem perturbar a fluidez da história. Difícil até contabilizar todas essas participações especiais. Um desses filmes imperdíveis para quem ama o cinema.
Gonemovie.com

Curiosidades (imdb):
* Os cartões postais ameaçadores foram redigidos à mão pelo próprio diretor Robert Altman, que se divertiu muito escrevendo-os.

* Julia Roberts, entre outros, não cobrou nada por sua participação.

* As participações especiais não estavam previstas no roteiro. Robert Altman acrescentou-as, sem dar qualquer texto escrito aos atores.

* "O Jogador" teve a participação especial de um diretor (Sydney Pollack) e 12 atores vencedores do Oscar. Se eles tivessem cobrado, seriam mais de 100 milhões de dólares apenas de salários.

* A casa que aparece na cena final pertencia ao próprio Robert Altman.

* De acordo com Griffin Mill, os elementos fundamentais para se ter um filme comercialmente bem-sucedido são: "Suspense, comédia, violência. Esperança, emoção, nudez, sexo. Finais Felizes. Principalmente finais felizes."

Diretor: Robert Altman
Gonemovie.com
Roteiro: Michael Tolkin
Musica: Thomas Newman
Fotografia: Jean Lepine
Design de Produção: Stephen Altman
Diretor de Arte: Jerry Fleming
Elenco: Tim Robbins, Greta Scacchi, Whoopi Goldberg, Peter Gallagher, Brion James, Cynthia Stevenson, Vincent D'Onofrio, Dina Merrill, Dean Stockwell, Richard E. Grant, Lyle Lovett, Jeremy Piven, Sydney Pollack, Susan Sarandon, Julia Roberts, Bruce Willis, Burt Reynolds, Andie MacDowell, Malcolm McDowell
Distribuidora: Versatil Home Video

*** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante

terça-feira, 28 de abril de 2015

A Entrega

The Drop * *
(2014) 106 min (14 anos)

EUA, Nova Iorque - O discreto Bob Saginowsky vai à missa de 8 horas, todas as manhãs, na Igreja de São Domingos, mas não comunga. Mais tarde ele se dirige ao "Bar do Marv", no Brooklin, onde trabalha como barman. Ele já conhece o gosto de cada frequentador e leva seu trabalho muito a sério.

O bar pertence à máfia chechena, mas já foi propriedade de Marvin, que o perdeu no jogo. Marv e Bob são primos-irmãos na realidade. Os chechenos têm por hábito reunir a receita diária dos negócios numa das lojas da organização. Para evitar roubos e outras surpresas indesejadas, a cada dia é escolhido um bar receptador para a entrega. O dinheiro muda de mãos sem que ninguém veja.

Na volta do trabalho, Saginowski encontra um filhote de pitbull ferido, jogado dentro da lata de lixo de uma residência. Ao resgatá-lo, chama a atenção de Nadia, moradora da casa, que o ajuda a cuidar do filhote. Bob pede a Nadia que tome conta do animal por uns dias, enquanto ele decide o que fazer. Sendo da raça pitbull, se o dono não aparecer, será levado para um abrigo. Bob acha que é muita responsabilidade cuidar de um cãozinho. Os dois se despedem, sem perceber que estão sendo observados do outro lado da rua.

Nos próximos dias, o "Bar do Marv" é assaltado e o desajustado ex-namorado de Nadia aparece, dizendo que o cachorro lhe pertence. Mas como devolver o filhote para quem o maltratou? Saginowski está se afeiçoando e já resolveu chamá-lo de Rocco, em homenagem ao santo de mesmo nome. Além do detetive Torres, da polícia de Nova Iorque, mafiosos chechenos aparecem para fazer perguntas sobre o roubo ao bar. Bob tem muitos problemas a resolver, mas ele não costuma perder a serenidade.

Eis uma história que prende a atenção e provoca suspense. Com um roteiro bem elaborado e desempenhos sinceros de Tom Hardy e Noomi Rapace, "A Entrega" se destacou entre os filmes vistos nesse último mês. Pelo cuidado com as circunstâncias dos personagens, a ênfase em não julgar as pessoas e os encontros no bar ou café, me lembrou do ritmo e do cenário de alguns livros do Inspetor Maigret, de Georges Simenon, embora o detetive Torres não tenha destaque e esteja longe de se assemelhar ao policial francês.

Curiosidade:
* "A Entrega" foi o último longa metragem com a presença de James Gandolfini, que faleceu durante a pos-produção.

Diretor: Michaël R. Roskam
Roteiro: Dennis Lehane, baseado no seu conto "Animal Rescue", da coleção Boston Noir
Musica: Marco Beltrami, Raf Keunen
Fotografia: Nicolas Karakatsanis
Design de Produção: Thérèse DePrez
Elenco: Tom Hardy, James Gandolfini, Noomi Rapace, John Ortiz, Matthias Schoenaerts, Elizabeth Rodriguez, Michael Aronov
Distribuidora: Fox Filmes

*** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante

quinta-feira, 23 de abril de 2015

As Férias do Pequeno Nicolau

Les Vacances du Petit Nicolas
(2014) 97 min (Livre)

França - Desta vez a família do pequeno Nicolau quer inovar. A mãe sempre preferia ir para a montanha  nas férias e vencia a disputa. Mas esse ano o pai leva a melhor. Ou quase, porque eles vão para a praia na companhia de Memé, a sogra impossível que sonhava com um pretendente mais glamuroso para a filha única. 

Mas Nicolau está feliz, só lamenta deixar para trás a charmosa Marie-Edwige, que ele acredita será sua futura esposa, quando ele for um capitão de navio de guerra. O menino promete que vai lhe escrever muitas cartas, ganha uma pulseira colorida de lembrança e parte com a família. Já no carro, durante um formidável engarrafamento na estrada, Memé mostra ao genro que não vai ser fácil a convivência.

Na praia, Nicolau faz novos amigos, enquanto seu pai reencontra Bernique, um colega de escola, pai de Isabelle, uma menina sinistra de olhos grandes, que nunca fala ou sorri. Nicolau leva a sério a brincadeira dos adultos sobre um futuro casamento entre as famílias. Ele e seu grupo de amigos decidem livrar-se dos Bernique para sempre.

A produção foi feliz em encontrar um novo protagonista tão encantador. Mathéo Boisselier tem aquela inocência, simpatia e expressividade necessárias para o papel. Já os pais do menino são interpretados pelos mesmos ótimos atores de "O Pequeno Nicolau". Raramente coloco no By Star as sequências de um filme, mesmo quando gosto delas. Mas são tão raros os filmes adequados a toda família, que fiz essa exceção. "As Férias do Pequeno Nicolau" garante momentos de diversão saudável para vovós, papais e netinhos. 

Diretor: Laurent Tirard
Roteiro: Laurent Tirard, Grégoire Vigneron, baseado em "Les Vacances du Petit Nicolas" de René Goscinny
Musica: Éric Neveux
Fotografia: Denis Rouden
Design de Produção: Françoise Dupertuis
Elenco: Mathéo Boisselier, Valérie Lemercier, Kad Merad, Dominique Lavanant, Bouili Lanners, Judith Henri, Daniel Prévost, Chan Aglat, Erja Malatier, Simon Bouvier, Hugo Sepulveda, Rémy Lardy, Marius Audibert, Clément Burguin
Distribuidora: Imovision

 *** excelente
** ótimo
* bom

Sem Asterisco - interessante
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

banner